terça-feira, 8 de maio de 2012

Dinâmicas Infantis


URSO DE PELUCIA
Objetivo: mostrar que o outro é importante pra nossa vida
Material: um urso de pelúcia
Procedimento:
Forme um círculo com todos e passe o urso de mão em mão; quem estiver com o urso deverá falar o que tem vontade de fazer com ele.
No final que todos falarem deve-se pedir para que façam o mesmo que fizeram com o urso com a pessoa do lado.


Varinhas que não quebram
Material:
Um feixe de 16 varinhas (podem-se usar palitos de churrasco)
Objetivo:
União do grupo. A fé como força que pode agregar, unir e dar resistência às pessoas.
1. Pedir que um dos participantes pegue uma das varinhas e a quebre. (o que fará facilmente).
2. Pedir que outro participante quebre cinco varinhas juntas num só feixe (será um pouco mais difícil)
3. Pedir que outro participante quebre todas as varinhas que restaram, se não conseguir, poderá chamar uma outra pessoa para ajudá-lo.
4. Pedir que todos os participantes falem sobre o que observaram e concluíram.
5. Terminar com uma reflexão sobre a importância de estarmos unidos.


A FORÇA DA FAMÍLIA
Distribuir a todos os participantes pedaços de cordão, com cerca de 80 cm de comprimento cada.
a) Pedir que todos partam o cordão que receberam em dois pedaços. (Provavelmente todos vão conseguir).
b) Pedir que todos juntem os dois pedaços, formando um cordão mais forte, e tentem parti-los ao meio, transformando o cordão original em quatro pedaços. (Aqueles que não conseguirem devem ser ajudados pelos vizinhos).
c) Pedir que todos juntem os quatro pedaços, formando um cordão ainda mais forte, na verdade quatro vezes mais forte que o original. Pedir que todos partam este novo cordão (Formado pelos quatro cordões juntos) no meio. Provavelmente ninguém vai conseguir, pois o cordão, alem de estar quatro vezes mais forte estará com apenas 20 cm o que dificulta a ação.
CONCLUSÃO:
PERGUNTAR AOS PARTICIPANTES A QUE CONCLUSÃO CHEGARAM APÓS ESSA EXPERIÊNCIA.
O Casal Coordenador enfim conclui:
O Cordão original representa um membro da família sozinho. É fraco e pode ser rompido com facilidade. é vulnerável e sujeito a desviar-se do bom caminho.
O Cordão duplo representa dois membros da família juntos. Já são mais fortes. Um protege e ampara o outro. Mas... ainda podem ser partidos. Não representam uma família.
O Cordão quádruplo representa a família constituída de PAI, MÃE e FILHOS. Esta sim, é forte. todos se amparam, protegem. Os mais velhos (os pais) instruem e educam os filhos. Todos tem maiores chances de serem felizes e prósperos, vencedores na vida.


CONTE UMA HISTÓRIA
MATERIAL: NÃO HÁ.
TEMPO DE DURAÇÃO: 10MIN.
NÚMERO DE PARTICIPANTES: (-) 15 PESSOAS.
PROCEDIMENTOS: O MONITOR IRÁ UTILIZAR AS PALAVRAS AMOR E AMIZADE; TRABALHO E PROSPERIDADE; ALEGRIA E TRISTEZA; REENCARNAÇÃO E EVOLUÇÃO,(OU OUTRO QUALQUER PAR DE PALAVRAS, DE ACORDO COM SEU OBJETIVO)
 DEPOIS PEDIRÁ PARA UM DOS PARTICIPANTES IR AO CENTRO DO CÍRCULO , E ESTE IRÁ COMEÇAR UMA HISTÓRIA COM AS DUAS PALAVRAS CITADAS ANTERIORMENTE, E CADA VEZ QUE ELE DISSER UMA DAS PALAVRAS OS DEMAIS IRÃO LEVANTAR DOS LUGARES E VÃO DAR UM RODADINHA, E QUANDO DISSER A OUTRA PALAVRA , TODOS OS PARTICIPANTES IRÃO TROCAR DE LUGAR.
OBJETIVOS: DESENVOLVER A CRIATIVIDADE DO PARTICIPANTEE LEVA-LO A UMA MAIOR INTEGRAÇÃO E CONHECIMENTO.


OS LIMÕES
 DINÂMICA DE GRUPO
 O LIMÃO
 TEMAS EM QUE PODE SER USADA:
       - DIFICULDADES PARA EDUCAR
       - EDUCAÇÃO NA INFÂNCIA, MENINICE E ADOLESCÊNCIA
       - AMOR E SEGURANÇA
       - CADA FILHO É ÚNICO
       - PERSONALIDADE
 MATERIAL: Um pacote de limão e uma cesta.
 DESENVOLVIMENTO
Antes de começar o círculo, distribuir um limão para cada participante. Pedir que observem bem o limão escolhido. Após alguns minutos recolher os limões com uma cesta. Na conclusão dos trabalhos, passar a cesta novamente pelos circulistas e solicitar que cada um procure o limão que havia escolhido anteriormente.
 CONCLUSÃO
Foi possível encontrar, entre tantos, o limão escolhido, porque você observou características, detalhes. Nosso filho é uma pessoa única, com características específicas, basta que a gente as observe.


SURPRESAS EM UMA CAIXA
 OBJETIVO : Compartilhar - Intercambiar atitudes
PARTICIPANTES : 30 a 40 pessoas
RECURSOS HUMANOS : uma caixa, papel , lápis
INSTRUÇÕES: - Se prepara uma caixa (pode ser, também, uma bolsa), com una série de tiras de papel enroladas, nas quais se tenha escrito algumas tarefas (Como por exemplo: CANTAR, DANÇAR, ASSOBIAR, SORRIR, GRITAR, RODAR...ETC...)
COLOCA-SE OS PARTICIPANTES EM CÍRCULO
 - A caixa circulará de mão em mão, enquanto se toca uma música. Quando a música, bruscamente parar, quem estiver com a caixa na mão tem que retirar um papel e cumprir a ordem.
- A brincadeira continuará até terminar os papeis dentro da caixa.


CHUPANDO BALAS
Dinâmicas Divertidas para Crianças, Jovens e Adolescentes - Chupando balas


Essa dinâmica divertida para crianças e jovens tem por objetivo estimular o Trabalho em Equipe, Raciocínio lógico e o relacionamento interpessoal.
Materiais: Uma bandeja e balas de acordo com o nº de participantes. As balas devem ser colocadas dentro da bandeja.
Procedimento: forma-se um circulo, diga então aos participantes: 'vocês terão que chupar uma bala, só que não poderão usar suas mãos para desembrulhar a bala e colocar em sua própria boca'.
Os participantes ficam loucos pensando como fazer isso, é interessante colocar a bandeja no chão. Alguns participantes até pegam a bala com a boca e tenta desembrulhar na boca.
Espera-se que eles se ajudem, um participante pegue a bala com as mãos, a desembrulhe e coloque na boca do outro.
Muito divertida esta dinâmica, faz com que crianças desde pequenas entendam que trabalhando em equipe podem fazer muito mais.
Dicas
Observar se o participante tem capacidade de realização e tem boa percepção, para identificar a solução do problema. Verificar a cooperação entre os participantes.
Tempo de aplicação: 15 minutos
Número máximo de pessoas: 20
Número mínimo de pessoas: 2


O boneco
Dividir os participantes em seis subgrupos. Cada um ficará responsável por uma parte do boneco: cabeça, tronco, braços, mãos, pernas e pés.
Cada grupo desenhará uma parte do corpo e terá duas perguntas para responder. As respostas devem ser registradas nos cartazes juntamente com o desenho. Para que os grupos tenham uma visão geral da dinâmica, é importante que se leiam todas as perguntas antes de iniciar o trabalho.
a) Cabeça: Qual a realidade ambiental que vemos? O que escutamos da sociedade sobre a preservação da biodiversidade?
b) Tronco: O que sentimos sobre a degradação ambiental? O que sentimos sobre o papel do estudante na preservação da biodiversidade?
c) Braços: Até onde podemos alcançar com nossa ação? Com quem (pessoas, entidades etc.) podemos andar de braços dados na preservação da biodiversidade?
d) Mãos: Quais os compromissos que podemos firmar enquanto grupo na preservação da biodiversidade? Quais as ferramentas que temos disponíveis na escola para divulgar nossas idéias?
e) Pernas: Que caminhos queremos tomar no desenvolvimento de ações de preservação da biodiversidade? Qual o suporte (pessoas, materiais, finanças etc.) que temos para desenvolver uma ação?
f) Pés: Que ações podemos realizar envolvendo nossa escola na preservação da biodiversidade? Que resultado desejamos com nossa ação?
Fonte: Extraída da cartilha “Semana do Estudante - Há que se cuidar da vida”, 2007. PJE-PJB.
Dinâmica publicada junto ao artigo "Semana do Estudante e da participação juvenil" na edição nº 379, jornal Mundo Jovem, agosto de 2007, página 3.


O EMBOLADÃO
Esta dinâmica propõe uma maior interação entre os participantes e proporciona observar-se a capacidade de improviso e socialização, dinamismo, paciência e liderança dos integrantes do grupo.
Faz-se um círculo de mãos dadas com todos os participantes da dinâmica.
O Coordenador deve pedir que cada um grave exatamente a pessoa em que vai dar a mão direita e a mão esquerda.
Em seguida pede que todos larguem as mãos e caminhem aleatoriamente, passando uns pelos outros olhando nos olhos (para que se despreocupem com a posição original em que se encontravam).
Ao sinal, o Coordenador pede que todos se abracem no centro do círculo" bem apertadinhos".
Então, pede que todos se mantenham nesta posição como estátuas, e em seguida dêem as mãos para as respectivas pessoas que estavam de mãos dadas anteriormente (sem sair do lugar).
Então pedem para que todos, juntos, tentem abrir a roda, de maneira que valha como regras: Pular, passar por baixo, girar e saltar.
O efeito é que todos, juntos, vão tentar fazer o melhor para que esta roda fique totalmente aberta.
Ao final, pode ser que alguém fique de costas, o que não é uma contra-regra.
O Coordenador parabeniza a todos se conseguirem abrir a roda totalmente!
Obs: Pode ser feito também na água.
Autor: Desconhecido


DINÂMICA DO NOME
Esta dinâmica propõe um "quebra gelo" entre os participantes. Ela pode ser proposta no primeiro dia em que um grupo se encontra. É ótima para gravação dos nomes de cada um.
Em círculo, assentados ou de pé, os participantes vão um a um ao centro da roda (ou no próprio lugar) falam seu nome completo, juntamente com um gesto qualquer. Em seguida todos devem dizer o nome da pessoa e repetir o gesto feito por ela.


Variação: Essa dinâmica pode ser feita apenas com o primeiro nome e o gesto da pessoa, sendo que todos devem repetir em somatória, ou seja, o primeiro diz seu nome, com seu gesto e o segundo diz o nome do anterior e gesto dele e seu nome e seu gesto... e assim por diante. Geralmente feito com grupos pequenos, para facilitar a memorização. Mas poderá ser estipulado um número máximo acumulativo, por exemplo, após o 8º deve começar um outro ciclo de 1-8 pessoas.




DINÂMICA DO "ESCRAVOS DE JÓ"
Esta dinâmica vem de uma brincadeira popular do mesmo nome, mas que nessa atividade tem o objetivo de "quebra gelo" podendo ser observado a atenção e concentração dos participantes.
Em círculo, cada participante fica com um toquinho (ou qualquer objeto rígido).
Primeiro o Coordenador deve ter certeza de que todos sabem a letra da música que deve ser :


Os escravos de jó jogavam cachangá;
os escravos de jó jogavam cachangá;
Tira, põe, deixa o zé pereira ficar;
Guerreiros com guerreiros fazem zigue, zigue zá (Refrão que repete duas vezes)
1º MODO NORMAL:


Os escravos de jó jogavam cachangá (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA);
os escravos de jó jogavam cachangá (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA);
Tira (LEVANTA O TOQUINHO), põe (PÕE NA SUA FRENTE NA MESA), deixa o zé pereira ficar (APONTA PARA O TOQUINHO NA FRENTE E BALANÇA O DEDO);
Guerreiros com guerreiros fazem zigue (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA), zigue (VOLTA SEU TOQUINHO DA DIREITA PARA O COLEGA DA ESQUERDA), zá (VOLTA SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA) (Refrão que repete duas vezes).


2º MODO:
Faz a mesma seqüência acima só para a esquerda


3º MODO:
Faz a mesma seqüência acima sem cantar em voz alta, mas canta-se em memória.
4º MODO:
Faz a mesma seqüência acima em pé executando com um pé.


5º MODO:
Faz a mesma seqüência acima com dois toquinhos, um para cada lado.






DINÂMICA DA "ESCULTURA"
Esta dinâmica estimula a expressão corporal e criatividade.
2 x 2 ou 3 x 3, os grupos devem fazer a seguinte tarefa :


Um participante trabalha com escultor enquanto os outros ficam estátua (parados). O escultor deve usar a criatividade de acordo com o objetivo esperado pelo Coordenador, ou seja, pode buscar :


-estátua mais engraçada
-estátua mais criativa
-estátua mais assustadora
-estátua mais bonita, etc.
Quando o escultor acabar (estipulado o prazo para que todos finalizem), seu trabalho vai ser julgado juntamente com os outros grupos. Pode haver premiação ou apenas palmas.




DINÂMICA DA "SENSIBILIDADE"
Dois círculos com números iguais de participantes, um dentro e outro fora. O grupo de dentro vira para fora e o de fora vira para dentro. Todos devem dar as mãos, sentí-las, tocá-las bem, estudá-las. Depois, todos do grupo interno devem fechar os olhos e caminhar dentro do círculo externo. Ao sinal, o Coordenador pede que façam novo círculo voltado para fora, dentro do respectivo círculo. Ainda com os olhos fechados, (proibido abrí-los), vão tocando de mão em mão para descobrir quem lhe deu a mão anteriormente. O Grupo de fora é quem deve movimentar-se. Caso ele encontre sua mão correta deve dizer _Esta! Se for verdade, a dupla sai e se for mentira, volta a fechar os olhos e tenta novamente.


Obs: Essa dinâmica pode ser feita com outras partes do corpo, ex: Pés, orelha, olhos, joelhos, etc. Tem o objetivo de melhorar a sensibilidade, concentração e socialização do grupo.


DINÂMICA DO “MESTRE"
Em círculo os participantes devem escolher uma pessoa para ser o adivinhador. Este deve sair do local. Em seguida os outros devem escolher um mestre para encabeçar os movimentos/ mímicas. Tudo que o mestre fizer ou disser, todos devem imitar. O adivinhador tem duas chances para saber quem é o mestre. Se errar volta e se acertar o mestre vai em seu lugar.
Esta dinâmica busca a criatividade, socialização, desinibição e a coordenação.


DINÂMICA DO "ROLO DE BARBANTE"
Em círculo os participantes devem se assentar. O Coordenador deve adquirir anteriormente um rolo grande de barbante. E o primeiro participante deve, segurando a ponta do barbante, jogar o rolo para alguém (o coordenador estipula antes ex: que gosta mais, que gostaria de conhecer mais, que admira, que gostaria de lhe dizer algo, que tem determinada qualidade, etc.) que ele queira e justificar o porquê! A pessoa agarra o rolo, segura o barbante e joga para a próxima. Ao final torna-se uma "teia" grande.


Essa dinâmica pode ser feita com diversos objetivos e pode ser utilizada também em festas e eventos como o Natal e festas de fim de ano. Ex: cada pessoa que enviar o barbante falar um agradecimento e desejar feliz festas. Pode ser utilizado também o mesmo formato da Dinâmica do Presente


DINÂMICA DO "SUBSTANTIVO"
Em círculo os participantes devem estar de posse de um pedaço de papel e caneta. Cada um deve escrever um substantivo ou adjetivo ou qualquer estipulado pelo Coordenador, sem permitir que os outros vejam. Em seguida deve-se passar o papel para a pessoa da direita para que este represente em forma de mímicas. Podendo representar uma palavra mais fácil, dividí-la e ajuntar com outra para explicar a real palavra escrita pelo participante, mas é proibido soltar qualquer tipo de som.




Dinâmica da “Verdade ou Conseqüência?”
Em círculo os participantes devem estar de posse de uma garrafa que deve ficar ao centro. Ao sinal do Coordenador, alguém gira a garrafa e para quem o bico da garrafa apontar é perguntado: _Verdade ou Conseqüência? Caso ele escolha verdade, a pessoa onde o fundo da garrafa apontou deve perguntar algo e ele obrigatoriamente devem responder a verdade. Se ele responder conseqüência deve pagar uma prenda (executar uma tarefa) estipulada pela pessoa que o fundo da garrafa apontou. A que respondeu gira a garrafa.


Dinâmica do "Qualidade"
Cada um anota em um pequeno pedaço de papel a qualidade que acha importante em uma pessoa. Em seguida todos colocam os papéis no chão, virados para baixo, ao centro da roda. Ao sinal, todos devem pegar um papel e em ordem devem apontar rapidamente a pessoa que tem esta qualidade, justificando.




Dinâmica do "Pegadinha do Animal"
Entrega-se a cada participante um papel com o nome de um animal, sem ver o do outro. Em seguida todos ficam em círculo de mãos dadas. Quando o animal for chamado pelo coordenador, a pessoa correspondente ao animal, deve se agachar tentando abaixar os colegas da direita e da esquerda. E os outros devem tentar impedir que ele se abaixe.
Obs: todos os animais são iguais, e quando o coordenador chama o nome do animal todos vão cair de "bumbum" no chão, causando uma grande risada geral.
Objetivo: "quebra gelo" descontração geral.




Amar ao Próximo.
Duração: 30 min.
Material: papel, lapis.
Divida a turma em grupos ou times opostos.
Sugira preparar uma gincana ou concurso, em que cada grupo vai pensar em 5 perguntas e 1 tarefa para o outro grupo executar.
Deixe cerca de 15 minutos, para que cada grupo prepare as perguntas e tarefas para o outro grupo.
Após este tempo, veja se todos terminaram e diga que na verdade, as tarefas e perguntas serão executadas pelo mesmo grupo que as preparou.
Observe as reações. Peça que formem um círculo e proponha que conversem sobre:
Se você soubesse que o seu próprio grupo responderia às perguntas, as teria feito mais fáceis?
E a tarefa? Vocês dedicaram tempo a escolher a mais difícil de realizar?
Como isso se parece ou difere do mandamento de Jesus? "Amarás ao teu próximo como a ti mesmo".
Como nos comportamos no nosso dia a dia? Queremos que os outros executem as tarefas difíceis ou procuramos ajudá-los?
Encerre com uma oração.
Se houver tempo, cumpram as tarefas sugeridas, não numa forma competitiva, mas todos os grupos se ajudando.


(todas essas dinâmicas foram retiradas da internet)

Nenhum comentário:

Postar um comentário